NOTÍCIAS

30/10/2017

Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino (DAEM)

Com o envelhecimento ocorre o declínio progressivo das funções fisiológicas porém ao contrário do seu equivalente feminino, a menopausa, a Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino (DAEM) ou Hipogonadismo Tardio do Adulto (HTA) não ocorre em todos homens que envelhecem.

A DAEM afeta 15 a 20% dos homens com mais de cinquenta anos.  DAEM ou HTA são uma síndrome clínica e laboratorial caracterizadas pela deficiência nos níveis séricos androgênicos, com ou sem alterações na sensibilidade dos receptores para testosterona. Pode afetar a função de múltiplos órgãos e sistemas e resultar em significante detrimento da qualidade de vida, incluindo alterações significativas na função sexual.

 

 

Não é uma tarefa fácil estabelecer quais são os aspectos clínicos importantes para suspeita diagnóstica de hipogonadismo no homem que envelhece, tendo em vista que diversos sintomas e sinais de deficiência androgênica podem estar relacionados apenas ao envelhecimento ou à presença de outras doenças.

Os principais Sinais e Sintomas são: diminuição da libido, disfunção erétil, infertilidade, aumento da gordura corporal, diminuição da massa muscular, diminuição da densidade mineral óssea (osteoporose e osteopenia), diminuição do bem-estar a falta de iniciativa e dificuldade de concentração, irritabilidade, diminuição da barba, dos pelos axilares e corporais, anemia e fogachos.

Outras doenças podem confundir o diagnóstico de DAEM como por exemplo: Hipotiroidismo, uso de medicações, doenças reumatológicas (veja mais aqui), depressão, tumores. A investigação clínica e exames laboratoriais fecham o diagnóstico e excluem o diagnóstico diferencial.

 

 

O tratamento é realizado com a reposição de testosterona a fim de estabelecer a melhora clínica do paciente. Os principais meios de reposição são através de formulações intramusculares de longa duração e as formulações transdérmicas de aplicação diária.           Os principais efeitos colaterais são a apneia do sono, policetemia, piora dos sintomas obstrutivos nos pacientes com hipertrofia prostática.

A prevenção do Câncer de próstata deve ser mantida anualmente com exames laboratoriais (PSA) e exame digital da glândula. Até o presente nenhum estudo cientifico mostrou aumento na incidência de Câncer de próstata após a reposição hormonal para o tratamento da DAEM.